Publicação de membros da Rede TP3

Além de estimular a produção em rede, uma das proposta deste Caderno de Pesquisas é dar visibilidade às produções dos pesquisadores participantes da Rede TP3.

Abaixo, um artigo que discute patrimônio em Diamantina, Minas Gerais, publicado em um número especial da Revista Geográfica de América Central, em 2011, assinado por Mariana Lacerda e Altair Sancho, membros da Rede TP3, em colaboração com Rose Pena e José Antônio Deus.

Foto: Altair Sancho

 

Paisagem cultural em Diamantina/MG: um estudo sobre patrimônio e topofilia

Mariana Lacerda, Altair Sancho, Rose Pena e José Antônio Deus

O Barroco compreende amplo fenômeno associado à arte, à vida e à história dos séculos XVII e XVIII. No Brasil, mais especificamente no estado de Minas Gerais, o barroco assumiu características próprias, passando a constituir não somente um estilo artístico e arquitetônico, mas uma forma de enxergar e compreender o mundo, diretamente associado à origem da cultura mineira. Diamantina, cidade colonial mineira reúne significativo acervo histórico e cultural barroco, o que justificou seu reconhecimento, em 1999, como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Inspirado nas reflexões sobre paisagem, patrimônio e identidade, este trabalho visa investigar o sentimento da população local em relação ao patrimônio da cidade de Diamantina. Para cumprir tal objetivo, foi realizada pesquisa teórica sobre barroco, paisagem, mineiridade, topofilia e topofobia e, pesquisa empírica, através de entrevistas semi-estruturadas com 40 moradores de diferentes regiões da cidade. De maneira geral, a população manifesta sentimento topofílico em relação à cidade, mas demonstra certo distanciamento em relação ao patrimônio. Apesar de reconhecerem sua importância, os entrevistados expressam ressentimento em relação à valorização do centro histórico para o uso turístico em detrimento a iniciativas que aproximem o patrimônio da população, estimulando sua capacidade em valorizá-lo.

Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.