Lugares e fluxos do turismo nacional brasileiro

Hervé Théry

O Brasil não é um importante destino turístico internacional, com menos de 6 milhões de turistas por ano. Em contrapartida o turismo nacional é muito ativo, 59 milhões de turistas e 190 milhões de viagens, graças a um mercado nacional de 200 milhões de habitantes, aos progressos do padrão de vida e ao consequente aumento dos gastos para turismo nas últimas décadas. Isso ajudou a construir um setor de turismo poderoso e bem estruturado, que pode ser analisado precisamente através de publicações oficiais, disponíveis on-line. Eles contêm números abundantes e que permitem desenhar mapas que ajudam a localizar os pontos fortes e os fluxos induzidos.

O artigo completo está disponível em: http://viatourismreview.com/pt/2015/09/art1/.

Abaixo, o comentário de alguns mapas disponíveis no texto.

Lugares sonhados e visitados por fonte de renda.

Fonte: Hervé Théry

O Estados brasileiros mais desenvolvidos também são os mais importantes centros de recepção e de emissões de turistas. Em número de turistas cinco dos 27 Estados – São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia – concentram mais de 50% dos fluxos turísticos do país e quase 50% das estadias. Se somarmos os estados do Paraná, Pernambuco, Santa Catarina e Goiás, chegamos a cerca de 70% dos turistas e fluxos. Os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, os mais populosos do país, são essencialmente emissores, enquanto Santa Catarina, Ceará, Bahia e Goiás, menores em termos absolutos, são principalmente receptores.

Em termos de lugares sonhados (aqueles que os turistas gostariam de conhecer), os dois destinos mais populares estão localizados na região Nordeste, a ilha de Fernando de Noronha e Fortaleza. Além destes, sete outras cidades da região (Salvador, Natal, Recife, Porto Seguro, Ipojuca, Maceió e São Luís) estão entre as vinte cidades citadas como as mais desejadas, cinco no Sul (Gramado, Florianópolis, Foz do Iguaçu, Curitiba e Porto Alegre), três no Sudeste (Rio de Janeiro, São Paulo e Aparecida), duas no Centro-Oeste (Bonito e Brasília) e uma do Norte (Manaus). Fora das capitais dos Estados são resorts (Porto Seguro, Ipojuca), lugares notáveis por seus atrativos naturais (clima – relativamente – frio em Gramado, cataratas em Foz do Iguaçu e águas cristalinas de Bonito) e ainda o culturais (basílica de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil).

Os lugares realmente visitados não coincidem completamente com aqueles sonhados pelos entrevistados, em sua maioria localizados em regiões “exóticas” para a maioria da população brasileira (Amazônia, Sul e Nordeste). Na realidade, os mais pobres frequentam principalmente a sua própria região, acessível de carro e onde eles podem ficar com parentes ou amigos. Os destinos mais populares estão localizados perto do local de residência, e cerca de 70% dos fluxos ocorrem na região de residência. Portanto, as principais capitais brasileiras aparecem no topo da lista, notadamente as grandes cidades costeiras onde a atratividade e amenidades da cidade coincidem.

Fluxos do turismo nacional em 2012

Fonte: Hervé Théry

 

Vistos globalmente, os fluxos de turismo no Brasil, em 2012, estão concentrados principalmente ao longo de um eixo paralelo à costa, uma vez que 80% da população vive a menos de 200 km do mesmo, com incursões menores para o Centro-Oeste e a Amazônia.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.