Arquivo da Categoria: Publicações

Roteirização dialogal: a construção de roteiros turísticos com a participação da comunidade local

Marisa Egrejas

Esta tese discute a construção de roteiros de visitação a sítios de interesse turístico realizada a partir do diálogo com a população local. Baseou-se em dois projetos (Projeto Palácios do Rio, realizado no Palácio, Fortaleza e Morro da Conceição, Zona Portuária do Rio de Janeiro, RJ, Brasil e Projeto Roteiros dos Fortes: circuito turísticos em fortes e fortalezas da Baía da Guanabara, realizada junto a seis Fortificações históricas da entrada da Baía da Guanabara, Rio de Janeiro, RJ, patrimoniadas pelo Exército Brasileiro), em que moradores, trabalhadores e frequentadores destes sítios cariocas tiveram oportunidade de deliberar sobre a circulação de visitantes nos seus espaços de pertencimento e participar na construção dos traçados. O estudo dispôs-se, ainda, a analisar a literatura dedicada ao tema e a legislação em vigência. Ao investigar este assunto, que tradicionalmente é visto pelo viés técnico e realizado em gabinete, tornou-se, também, um instrumento de mediação entre as esferas teórica e prática, promovendo a articulação entre os âmbitos acadêmico e técnico na área do turismo.

Tese completa: roteirizacao-dialogal-_m-egrejas

Publicação de membros da Rede TP3

Além de estimular a produção em rede, uma das proposta deste Caderno de Pesquisas é dar visibilidade às produções dos pesquisadores participantes da Rede TP3.

Abaixo, um artigo que discute patrimônio em Diamantina, Minas Gerais, publicado em um número especial da Revista Geográfica de América Central, em 2011, assinado por Mariana Lacerda e Altair Sancho, membros da Rede TP3, em colaboração com Rose Pena e José Antônio Deus.

Foto: Altair Sancho

 

Paisagem cultural em Diamantina/MG: um estudo sobre patrimônio e topofilia

Mariana Lacerda, Altair Sancho, Rose Pena e José Antônio Deus

O Barroco compreende amplo fenômeno associado à arte, à vida e à história dos séculos XVII e XVIII. No Brasil, mais especificamente no estado de Minas Gerais, o barroco assumiu características próprias, passando a constituir não somente um estilo artístico e arquitetônico, mas uma forma de enxergar e compreender o mundo, diretamente associado à origem da cultura mineira. Diamantina, cidade colonial mineira reúne significativo acervo histórico e cultural barroco, o que justificou seu reconhecimento, em 1999, como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Inspirado nas reflexões sobre paisagem, patrimônio e identidade, este trabalho visa investigar o sentimento da população local em relação ao patrimônio da cidade de Diamantina. Para cumprir tal objetivo, foi realizada pesquisa teórica sobre barroco, paisagem, mineiridade, topofilia e topofobia e, pesquisa empírica, através de entrevistas semi-estruturadas com 40 moradores de diferentes regiões da cidade. De maneira geral, a população manifesta sentimento topofílico em relação à cidade, mas demonstra certo distanciamento em relação ao patrimônio. Apesar de reconhecerem sua importância, os entrevistados expressam ressentimento em relação à valorização do centro histórico para o uso turístico em detrimento a iniciativas que aproximem o patrimônio da população, estimulando sua capacidade em valorizá-lo.

Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.

Lugares e fluxos do turismo nacional brasileiro

Hervé Théry

O Brasil não é um importante destino turístico internacional, com menos de 6 milhões de turistas por ano. Em contrapartida o turismo nacional é muito ativo, 59 milhões de turistas e 190 milhões de viagens, graças a um mercado nacional de 200 milhões de habitantes, aos progressos do padrão de vida e ao consequente aumento dos gastos para turismo nas últimas décadas. Isso ajudou a construir um setor de turismo poderoso e bem estruturado, que pode ser analisado precisamente através de publicações oficiais, disponíveis on-line. Eles contêm números abundantes e que permitem desenhar mapas que ajudam a localizar os pontos fortes e os fluxos induzidos.

O artigo completo está disponível em: http://viatourismreview.com/pt/2015/09/art1/.

Abaixo, o comentário de alguns mapas disponíveis no texto.

Lugares sonhados e visitados por fonte de renda.

Fonte: Hervé Théry

O Estados brasileiros mais desenvolvidos também são os mais importantes centros de recepção e de emissões de turistas. Em número de turistas cinco dos 27 Estados – São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia – concentram mais de 50% dos fluxos turísticos do país e quase 50% das estadias. Se somarmos os estados do Paraná, Pernambuco, Santa Catarina e Goiás, chegamos a cerca de 70% dos turistas e fluxos. Os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, os mais populosos do país, são essencialmente emissores, enquanto Santa Catarina, Ceará, Bahia e Goiás, menores em termos absolutos, são principalmente receptores.

Em termos de lugares sonhados (aqueles que os turistas gostariam de conhecer), os dois destinos mais populares estão localizados na região Nordeste, a ilha de Fernando de Noronha e Fortaleza. Além destes, sete outras cidades da região (Salvador, Natal, Recife, Porto Seguro, Ipojuca, Maceió e São Luís) estão entre as vinte cidades citadas como as mais desejadas, cinco no Sul (Gramado, Florianópolis, Foz do Iguaçu, Curitiba e Porto Alegre), três no Sudeste (Rio de Janeiro, São Paulo e Aparecida), duas no Centro-Oeste (Bonito e Brasília) e uma do Norte (Manaus). Fora das capitais dos Estados são resorts (Porto Seguro, Ipojuca), lugares notáveis por seus atrativos naturais (clima – relativamente – frio em Gramado, cataratas em Foz do Iguaçu e águas cristalinas de Bonito) e ainda o culturais (basílica de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil).

Os lugares realmente visitados não coincidem completamente com aqueles sonhados pelos entrevistados, em sua maioria localizados em regiões “exóticas” para a maioria da população brasileira (Amazônia, Sul e Nordeste). Na realidade, os mais pobres frequentam principalmente a sua própria região, acessível de carro e onde eles podem ficar com parentes ou amigos. Os destinos mais populares estão localizados perto do local de residência, e cerca de 70% dos fluxos ocorrem na região de residência. Portanto, as principais capitais brasileiras aparecem no topo da lista, notadamente as grandes cidades costeiras onde a atratividade e amenidades da cidade coincidem.

Fluxos do turismo nacional em 2012

Fonte: Hervé Théry

 

Vistos globalmente, os fluxos de turismo no Brasil, em 2012, estão concentrados principalmente ao longo de um eixo paralelo à costa, uma vez que 80% da população vive a menos de 200 km do mesmo, com incursões menores para o Centro-Oeste e a Amazônia.